Junho 2022

Neste curso VETgirl educação continuada veterinária online blog patrocinado por Royal Canin, Dr. Margie Scherk, DVM, DABVP (Feline) irá rever o que há de novo com a Doença do Trato Urinário Inferior Felino. Ela revisará como podemos usar a hematúria como ferramenta no manejo dessa doença frustrante em nossos pacientes felinos! Por favor, note que as opiniões neste blog são a opinião expressa do autor e não endossadas diretamente pela VETgirl.

Distúrbios do trato urinário inferior dos felinos... novamente. O que há de novo? Utilizando a hematúria como ferramenta no manejo

Por Dr. Margie Scherk, DVM, DABVP (Felino)

Você já teve dúvidas se a hematúria é real ou iatrogênica?

Os gatos geralmente são bastante estóicos, então os clientes frequentemente interpretam erroneamente a micção em locais inadequados/periúria como um sinal de que seu gato está chateado com eles. Como a eliminação inadequada é a principal razão que as pessoas dão para entregar seus gatos a abrigos, onde um gato urina é fundamental para sua sobrevivência (1). Quando um cliente traz seu gato “propenso a acidentes” para a clínica veterinária, estamos conversando com uma pessoa que se sente desanimada, irritada e culpada. Portanto, precisamos ajudá-los (e ao gato) rapidamente… e, com sorte, permanentemente. Juntamente com a coleta de uma amostra de urina, temos que perguntar quantas caixas existem, onde estão localizadas na casa, com que frequência são limpas, qual é o tamanho da caixa, qual a profundidade do lixo etc., na esperança de que o problema é corrigir o mau cuidado do banheiro. Se não for esse o caso, nos aprofundamos em busca de qualquer outra coisa que possa estar causando estresse para o gato. De fato, a cistite idiopática é a causa número um (65%) para um gato apresentar sinais do trato urinário inferior (LUTS), seguido por urolitíase, tampão ou obstrução uretral e infecção do trato urinário (ITU).

Os sinais de distúrbios do trato urinário inferior são polaciúria, hematúria, estrangúria e periúria. Estes estão associados com a bexiga sendo essencialmente um reservatório de urina que, em circunstâncias normais, é esvaziado quando cheio. No entanto, quando o “reservatório” fica inflamado por qualquer motivo e a parede é esticada à medida que a urina entra pelos ureteres, dói, então o gato elimina quantidades menores, com mais frequência (polaciúria), para reduzir o estiramento. A dor também pode resultar em periúria caso o gato precise fazer xixi antes de chegar à caixa de areia apropriada ou se associar a caixa à dor que está sentindo. O alongamento da parede da bexiga inflamada causa sangramento. De fato, qualquer distúrbio que cause dano à superfície da mucosa ou vasculatura de qualquer parte do trato urogenital pode resultar em vazamento de glóbulos vermelhos (RBC) na urina.

Como consequência, a hematúria é um achado comum, independentemente da causa do STUI. A urina tingida de vermelho ou rosa que vemos com hematúria macroscópica ocorre quando há > 2500 RBC/μL de urina (TNTC RBC/HPF). No entanto, a hematúria, refletindo a inflamação, está presente antes que possamos vê-la. De fato, mais de 90% dos gatos com doença do trato urinário inferior apresentam hematúria microscópica (2), mas os donos são capazes de apreciar a hematúria macroscópica apenas 42% das vezes (3). Ser capaz de detectar hematúria microscópica é benéfico de várias maneiras para monitorar a cicatrização, bem como a recorrência de problemas crônicos em pacientes com distúrbios que afetam o trato urinário.

Nos casos de cistite idiopática, podemos avaliar se um indivíduo está sofrendo de recorrência, bem como avaliar quão bem os métodos ambientais e outros de alívio de estresse (incluindo auxílios farmacológicos) estão funcionando, verificando a presença de hematúria. Em gatos predispostos a cristalúria ou infecção do trato urinário (inferior e superior), encontrar hematúria em casa pode permitir uma intervenção precoce, alertando o cliente para trazer seu gato para nos ver. Em gatos que estão se recuperando de obstrução ou cirurgia do trato urinário (por exemplo, cistotomia para remoção de cálculos), encontrar a resolução da hematúria nas primeiras duas semanas ajuda a monitorar o progresso da cicatrização. Naqueles com neoplasia do trato urinário, o aumento da hematúria pode ajudar na tomada de decisões sobre cuidados paliativos.

Pacientes com LUTS frequentemente apresentam bexigas pequenas quando apresentados à clínica veterinária. Isso dificulta a coleta de uma amostra de urina. Ao realizar a cistocentese (com ou sem o auxílio do ultrassom), podemos inadvertidamente causar hematúria. Além disso, em gatos com hematúria existente, quando notamos um redemoinho de sangue durante a coleta da amostra de urina, é impossível saber se a hematúria é “real”, iatrogênica ou ambas. Quando isso acontece, podemos pedir ao cliente para coletar uma amostra de urina da caixa de areia usando uma areia não absorvente, no entanto, é importante notar que esse processo pode ser complicado e demorado para o proprietário e perturbador para o gato. Também podemos pedir ao proprietário que traga o gato de volta à clínica para uma repetição da cistocentese, ou podemos usar grânulos de areia cientificamente validados, polvilhados sobre a areia que o gato já conhece, para detectar hematúria. Esses grânulos (Royal Canin Hematúria Detection, tecnologia da Blücare) são capazes de detectar até níveis microscópicos de hematúria. Com estes grânulos de hematúria (Blücare), uma mudança colorimétrica azul facilmente visualizada ocorre nos grânulos rapidamente – em menos de um minuto – e isso dura 2 dias, o que significa que o cliente não precisa ficar observando o gato.

Imagem da caixa de areia Royal Canin Hematúria

A identificação em casa e o monitoramento da hematúria são úteis nos casos em que o cliente está ocupado e/ou em famílias que relutam em trazer seu gato para cuidados veterinários preventivos regulares. Em relação aos cães, os gatos não recebem os cuidados veterinários regulares necessários com tanta frequência, e são necessárias novas abordagens para melhorar o acesso aos cuidados. A triagem também pode fazer parte da avaliação semestral do gato idoso que vive com uma pessoa que está relutante em trazê-lo para triagem de rotina ou porque não reconhece os sinais sutis da doença.

Tal como acontece com tantas coisas, a detecção precoce é fundamental. Quanto mais cedo pudermos determinar que um gato está angustiado, mais cedo poderemos ajudar a melhorar suas circunstâncias e ajudá-lo a relaxar. Quando o sangue é devido a cristais ou urólitos, podemos fazer mudanças apropriadas na dieta e hidratação para dissolver ou reduzir a chance de formação de cálculos adicionais. O monitoramento da hematúria a cada 2-4 meses permite detectar a recorrência de cristalúria/urolitíase, infecção ou cistite idiopática. No caso de cistite idiopática, também faz sentido rastrear preventivamente a hematúria quando o estresse é antecipado (reformas, mudanças, visitas, férias, etc.). Durante os primeiros cinco meses da pandemia de Covid-19, quando as pessoas passaram a trabalhar em casa, houve um aumento significativo de gatos machos sendo apresentados aos departamentos de emergência de dois hospitais veterinários universitários (artigo em revisão). Não é exagero pensar que pode ter havido um aumento semelhante nas apresentações não obstrutivas de cistite idiopática, que não exigiu visitas de emergência.

Ao incentivar os clientes a monitorar a hematúria em momentos apropriados para a condição subjacente, os clientes são motivados a procurar atendimento veterinário. Podemos dar-lhes paz de espírito e ajudá-los a serem proativos no bem-estar do seu gato.

Referências:
1. Salman MD, Hutchison J, Ruch-gallie R, Kogan L, Kass PH, Scarlett JM. Razões Comportamentais para a Entrega de Cães e Gatos a 12 Abrigos. J Appl Anim Welf Sci.2000; 3(2):93-106.
2. Kaul E, Hartmann K, Reese S, Dorsch R. Taxa de recorrência e curso de longo prazo de gatos com doença do trato urinário inferior felino. J Feline Med Surg. 2020 junho;22(6):544-56.
3. Dorsch R, Remer C, Sauter-Louis C, Hartmann K. Doença do trato urinário inferior felino em uma população de gatos alemães. Uma análise retrospectiva de dados demográficos, causas e sinais clínicos. Tierarztl Prax Ausg K Kleintiere Heimtiere. 2014;42(4):231-239.

Nota de rodapé:
uma. Comunicação pessoal, Joanna Finstad

Leitura recomendada:
• Diretrizes AAFP e ISFM de 2014 para diagnosticar e resolver o comportamento de sujidade em gatos (https://catvets.com/guidelines/practice-guidelines/house-soiling)
• Blücare® Granules: Uma nova ferramenta para a detecção precoce e monitoramento de distúrbios do trato urinário em gatos

O blog VETgirl de hoje é patrocinado por Royal Canin. Recomende a ração multifuncional Royal Canin Urinary SO® + Calm, completa e balanceada para gatos adultos para ajudar a manter um trato urinário saudável enquanto fornece nutrientes calmantes para gatos que enfrentam estresse. Saiba mais em my.royalcanin.com.

Logotipo da Royal Canin

  1. Alguns colegas sugeriram colocar um cateter urinário e “lavar” gatos machos com hematúria antes de bloqueá-los. Meu entendimento é que introduzir algo como um cateter pode causar mais inflamação e só deve ser feito se eles já estiverem obstruídos?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.